O furor heroico: a literatura quinhentista e os dilemas do Brasil atual

Giordano Bruno, quem melhor denominou o éthos renascentista: o furor heroico “A América Ibérica não pega em armas por ter as classes enriquecidas, abastadas ou remediadas, parados numa especie de estupor, de idiotice, como nos sacrifícios rituais ao Pato Amarelo e na festa sabática da bateção de panelas. A parte maldita, como denomina Georges Bataille Leia mais sobreO furor heroico: a literatura quinhentista e os dilemas do Brasil atual[…]

O pântano britânico: as armadilhas do império e a guerra mundial

31 de julho de 2017 (EIRNS) — Lyndon LaRouche, em declarações concisas sobre as implicações emanando de um Memorando lançado semana passada pela associação Veteranos Profissionais da Inteligência para a Sanidade (VIPS, em sua sigla em inglês), e as sanções contra a Rússia promulgadas pelo Congresso dos EUA quase que simultaneamente, exigiu uma resposta imediata Leia mais sobreO pântano britânico: as armadilhas do império e a guerra mundial[…]

O Grande Tribunal do Mundo, hoje

O Grande Tribunal do Mundo, hoje É só uma breve passagem, eu sei, do livro velho e surrado por tantos usos e desusos, Vigiar e Punir, mas vale a pena como mote para começarmos a refletir (p. 196 da edição da editora Vozes, de 1997): Na realidade, qualquer instituição panóptica, mesmo que seja tão cuidadosamente fechada Leia mais sobreO Grande Tribunal do Mundo, hoje[…]