Equipe que dirige o golpe contra Trump também dirige a tropa de choque da Lava-Jato para destruir o Brasil e o Cone Sul

A demonização do inimigo

Poderia até pedir desculpas pela afirmativa contundente, mas a questão é que o mesmo grupo político nos EUA que tentam derrubar Trump pela balela do chamado “Russiangate”, derrubaram Dilma e estão umbilicalmente ligados ao Ministério Público brasileiro. O promotor Robert Muller, encarregado de investigar as “conexões russas” de Trump e a suposta influência dos antigos soviéticos nas eleições americanas, dirige Andrew Weissman, especialmente designado por Muller para compor sua tropa de choque após este ter ocupado a chefia da Seção de Fraudes do DOJ (Departamento de Justiça americano). Como já é sabido, Weissman foi retirado da equipe de caça às bruxas porque deixou muito claro sua parcialidade a favor de Clinton e seu servilismo diante da procuradora geral de Obama. Agora cada vez que se menciona Weissman na imprensa estadunidense, é para fazer referência à profunda corrupção que inunda o Departamento de Justiça e o FBI.

[…]

Previsão do tempo para o signo de Touro

Toura Miriam Leitão consegue juntar duas coisas constitutivamente inúteis que pintar a cor do neoconservadorismo (o liberalismo com cores progressistas) daqui e dos EUA. Como Hillary Clinton, ama o livre-mercado e sofre de uma piedade não menos utópica pelos pobres. Assim, da união de duas inutilidades profundamente populares, nasceu a “previsão do tempo para o Leia mais sobrePrevisão do tempo para o signo de Touro[…]

A estética como política: às margens da literatura contemporânea

Para Rancière, arte implica na constituição das formas de vida “comum”, passa pela constituição da voz àqueles que só podem murmurar ou fazer barulho. Como esse conceito tem implicações para a literatura contemporânea, especialmente a brasileira, caso se considere como precursor da passagem da “sociedade punitiva” para a “sociedade de controle”, as literaturas de Kafka Leia mais sobreA estética como política: às margens da literatura contemporânea[…]

Didico, um daqueles que rejeitaram o Golpe

Ao contrário do retrato do Golpe que coloquei em outra postagem, com o texto do Rogério Skylab superposto à bizarra narração de Galvão Bueno quando a noiva global jogava seu buquê de flores na festa das celebridades, coloco aqui o retrato de quem não participou da festa que uniu as duas faces do assalto ao Leia mais sobreDidico, um daqueles que rejeitaram o Golpe[…]

Vantagens do modelo venezuelano para o Brasil

Muitas vezes achei a situação da Venezuela um pouco mais complicada do que a nossa. Talvez a aparência de normalidade, algo característico do país que, dizem, não é afeito a guerras ou a confrontos mais violentos, não me fez radicalizar na comparação. Hoje fica mais evidente a hipótese que levantava desde muito tempo. O que Leia mais sobreVantagens do modelo venezuelano para o Brasil[…]

Wadih Damous expõe a lógica da prostituta

Segundo Barbara Cassin, ouvir os sofistas é a mesma tarefa da que destacava Benjamin, ou seja, ouvir as prostitutas para se conhecer os seus clientes. Isso também é o que Sade fazia antes de ter sido levado à Bastilha por ter querido fugir com a sobrinha de uma mulher poderosa. São esses os saberes perversos Leia mais sobreWadih Damous expõe a lógica da prostituta[…]

DESENVOLVIMENTO, ENVOLVIMENTO, EVOLVER-SE

Em que ponto a crítica histórica é capaz de produzir “muçulmanos”?. Reflexões sobre o Bertleby, de Mandeville. O papel de toda crítica histórica não é o de mostrar o determinado desenvolvimento, como se, ao se utilizar de uma regra cujo fim é medir apenas o passado, ou seja, de acordo com um presente genérico ou Leia mais sobreDESENVOLVIMENTO, ENVOLVIMENTO, EVOLVER-SE[…]

O trem das sete, o próximo da estação

O sonho futurista do Skylab em 23 de julho de 2017. Vale a pena o belíssimo e curto conto. Logo embaixo, as cenas dos que ainda não entraram no trem. O Brasil infernal com narração de Galvão Bueno. A Globo e o Golpe unidos no baile da Ilha Fiscal. “A plataforma estava tomada de pessoas Leia mais sobreO trem das sete, o próximo da estação[…]

Nazismo e liberalismo como doenças autoimunes: a biopolítica de Roberto Esposito

Roberto Esposito associa o nazismo e o liberalismo às doenças auto-imunes (a diabete é o tipo dessa doença mais famoso). Seria assim o argumento: toda comunidade exige um “munus”, ou um dom, o que gera, naquele que o recebe, o dever da troca. Cria-se em toda comunidade uma espécie de “sistema da dívida”. Os “imunes” Leia mais sobreNazismo e liberalismo como doenças autoimunes: a biopolítica de Roberto Esposito[…]