Aldo entre as “novas” esquerda e direita

 

Aldo Rebelo foi para o PSB disposto a “bater chapa” com o Joaquim Barbosa. Sua permanência no partido seria fundamental para procurar fazê-lo voltar a suas origens, que remontam à militância do avô de Eduardo Campos, Miguel Arraes. Com escolha de Joaquim Barbosa sem a necessidade de eleições internas, ganhou a ala dos oportunistas, a ala paulista e golpista, e ele saiu fora. Dizem alguns que Aldo está “um pouco perdido”. Deve estar mesmo, já que perdeu para a “nova esquerda” no antigo partido dele (com suas pautas multiculturalistas e identitárias) e agora para a “nova direita” com a infeliz trajetória do PSB, mas isso não retira a importância política dessa discreta e importante liderança política, para muito além do tipo de “esquerdismo ilustrado” dos que defendem Ciro Gomes.

[…]

Aldo Rebelo: misturar-se de uma vez com o todo

@aldorebelo
Foi difícil resumir o texto para apresentá-lo aqui na chamada. Fica só um breve parágrafo logo abaixo e que dificilmente dá conta do todo. Para quem acha que entende de política e de políticos, mas não conhece o papel de verdadeiro protagonista de Aldo Rebelo agora e nos últimos anos – pelo menos – não entende nada nem de uma nem dos outros. Ampliar o campo de nossa visão, compreender as diferentes estratégias, são as armas mais básicas para se ter a consciência tranquila e ter domínio da prática política mais concreta. Talvez isso que, muito simplesmente, a figura de Aldo Rebelo (na imagem, trajado como o Manuelzão de Guimarães Rosa) representa.

“Misturar-se de uma vez com o todo é saber da plataforma importante que foi construída ao longo dos anos, uma verdadeira abertura social que dificilmente será encerrada como esperam toda a histeria e sanha persecutória de seus inimigos. Misturar-se é ter a clara consciência do que é todo esse trabalho, de como ele se desenvolve, sem apelos a palavras de ordem ou a ideologias de gênero variado. Aldo Rebelo, como um homem simples acima de tudo, encarna esses ideais e por isso é um interlocutor privilegiado do lado democrático de nosso país. Escrever sua biografia seria escrever a história contemporânea do Brasil sob um ponto de vista privilegiado, no que muito ajudaria, em seu aspecto conjuntural, a entrever as conquistas e os desafios que estão vindo pela frente”.

Esse texto pode ser considerado também como a anti-imagem de Ciro Gomes. A ver.

[…]